Bem-vindo ao nosso site de HISTÓRIA

Neste site, os visitantes encontrarão diversos textos por mim publicados, desde 1995, em jornais e revistas, ou, simplesmente, difundidos por e-mail para os meus amigos. Das obras publicadas, como autor ou como tradutor, conto apresentar alguns breves extractos criteriosamente seleccionados.

DAVID MARTELO

==================================================================

1915 – O 25 DE ABRIL DE GALLIPOLI

No início de 1915, a necessidade de encontrar uma alternativa ao impasse estratégico na Frente Ocidental ditou a montagem de uma operação, naval e terrestre, que permitisse aos Aliados romper os Estreitos Turcos e entrar no Mar Negro para apoiar o esforço de guerra russo. A operação, concebida com o mesmo espírito de inabilidade que alimentava a guerra das trincheiras, incluiu um desembarque na península de Gallipoli, em 25 de Abril de 1915, que se tornaria memorável pelo seu inglório desfecho, mas que marcou, para sempre, a memória de australianos e neozelandeses, povos dos domínios britânicos que forneceram a parte mais importante dos efectivos das forças terrestres.

NOTA: Este artigo não é um texto pdf, como é mais habitual. É um slide-show, semi-automático, com texto e imagens. Pode demorar uns segundos a carregar.

Para ver o slide-show, clicar em:

Gallipoli 1915.ppsx (24566610)

*************************************************

O TRATADO DE ALCÁÇOVAS E OS DESCOBRIMENTOS

Na sequência da morte de Henrique IV de Castela e da crise sucessória daí resultante, o rei de Portugal, D. Afonso V, decidiu defender os direitos de sucessão da sobrinha D. Joana, contra os da infanta D. Isabel, irmã de Henrique IV. Para esse efeito, organizou um exército e, em fins de Maio de 1475, abalou para Castela. Da guerra que se seguiu, para além do malogro político, Portugal sai financeiramente arruinado, com diversas zonas fronteiriças devastadas pelos ataques castelhanos e com a rota da Guiné ameaçada pelos navios andaluzes. A paz era uma necessidade estratégica.

Para ler o artigo, clicar em:
 
______________________________________________________________________

ASSIM TOMÁMOS ROMA – (2)

Benito Mussolini

Roma aguçou o meu sentido de dedicação. A Cidade Eterna, caput mundi, tem duas Cortes e duas diplomacias. No decurso dos séculos, viu exércitos imperiais serem derrotados sob as suas muralhas. Testemunhou a queda dos fortes e o erguer de ondas universais de civilização e de pensamento. Roma, o objectivo ambicionado por príncipes e líderes, a cidade universal, herdeira do Velho Império e da força do Cristianismo! Roma deu-me as boas vindas como chefe das legiões nacionais, como representante, não de um partido ou de um grupo, mas com uma fé enorme de um povo inteiro.

Para ler o artigo, clicar em:

Assim tomámos Roma (2).pdf (145871)

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

DA MORALIDADE E IMORALIDADE DA COLONIZAÇÃO NA ERA DOS DESCOBRIMENTOS

Os portugueses, pouco depois de darem início às navegações no Atlântico, perceberam como era importante a sustentação moral do empreendimento. Pediram, mesmo, à Santa Sé, que desse o seu público assentimento à grande aventura marítima que pretendiam levar a cabo. Essa manobra diplomática seria coroada de êxito com a publicação, no espaço de menos de quatro anos, de três bulas papais.

Para ler o artigo, clicar em:

Moral_colonização.pdf (82742)

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Julho de 1809

A IRRITAÇÃO DE NAPOLEÃO PELA DERROTA EM TALAVERA

Napoleão Bonaparte e Arthur Wellesley (duque de Wellington, desde Maio de 1814) são geralmente considerados como as duas figuras militares mais relevantes do período das Guerras Napoleónicas. Quis o destino que só viessem a enfrentar-se directamente em Waterloo, na última batalha desse conflito. É compreensível que a longa guerra tenha proporcionado a Wellesley um melhor conhecimento de Napoleão do que o inverso. Quando o nome de Wellesley começou a ser referenciado, Napoleão não o valorizou devidamente, preferindo sublinhar a imperícia dos seus próprios generais.

Para ler o artigo, clicar em:

Talavera X Napoleão.pdf (2624613)

wwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwww

ASSIM TOMÁMOS ROMA – (1)

Benito Mussolini

E, agora, estávamos na véspera da histórica marcha para a Cidade Eterna. Tendo terminado a minha análise e estimativa das condições das províncias, tendo tomado nota dos relatórios dos vários chefes dos Camisas Negras, tendo seleccionado os planos de acção e determinado de uma maneira geral o momento mais favorável, convoquei para Florença os chefes do movimento fascista e das esquadras de acção. Ali estavam Michele Bianchi, De Bono, Italo Balbo, Giurati e muitos outros. 

Para ler o artigo, clicar em:

Assim tomámos Roma (1).pdf (164572)

"""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""

24 de Agosto de 1820

REVOLTA MILITAR NO PORTO

Quando, em 1807, a família real se retira para o Brasil, a colónia adiciona à importância económica a que resulta do novo estatuto de “cabeça” do Império. A breve trecho, a presença da corte no Brasil transfere para a colónia sul-americana os principais atributos das verdadeiras metrópoles. Em Portugal, começa a instalar-se a ideia de que o reino se está transformando numa desinteressante colónia brasileira, situação que era agravada pelo domínio militar britânico.

Para ler o artigo, clicar em:

Revolução 1820.pdf (959100)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

DA ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DOS EUA

Alexis de Tocqueville

É impossível seguir o desenvolvimento ordinário da acção política nos Estados Unidos sem notar que o desejo de ser reeleito domina os pensamentos do presidente; [...] o princípio da reeleição torna, portanto, a influência corruptora dos governos electivos mais alargada e mais perigosa. Tende a degradar a moral política do povo e a substituir o patriotismo pela habilidade.

Para ler o artigo, clicar em:

Eleição Pres EUA.pdf (60915)

*******************************************************************

AGOSTO DE 1914 – A INVASÃO DA BÉLGICA

A Bélgica, tendo repudiado o ultimato alemão que, em 2 de Agosto, exigia o direito de passagem das suas tropas a caminho do Norte da França, preparava-se para resistir ao invasor. O rei Alberto da Bélgica estava consciente da iminência da invasão do seu país. Dando mostras de uma rara capacidade de decisão, ordenou a imediata destruição das pontes sobre o rio Mosa, em Liège, bem como dos túneis e pontes das vias-férreas da fronteira com o Luxemburgo.

Para ler o artigo, clicar em:

Invasão Bélgica 1914.pdf (57352)

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»««««««««««««««««««««««««««««««««««

2.ª GUERRA CIVIL AMERICANA

Ao tomar conhecimento dos termos do Tratado de Versalhes e da pesada punição que o mesmo impunha à Alemanha, o marechal Foch não hesitou em profetizar: “Não é um Tratado de Paz; é um armistício por 20 anos.” Perante o que está a suceder nos Estados Unidos da América, desde 25 de Maio, é tentador fazer uma comparação entre a Guerra Civil Americana de 1861-1865 e o conflito social e político que está em curso, com muitas lembranças icónicas dessa guerra. Em vez dos “vinte anos de armistício” previstos por Foch, teríamos, agora, um interregno de 155 anos.

Para ler o artigo, clicar em:

2a Guerra Civil.pdf (1987440)

===============================================================

1914 – ÚLTIMOS PREPARATIVOS DE GUERRA

Inexoravelmente, o sistema de alianças laboriosamente construído nos anos que antecederam a guerra iria chamar à beligerância as principais potências europeias. Esta afirmação tem sido repetida por uma diversidade de autores e contém, no essencial, os motivos que levaram à entrada na guerra das potências europeias. Importa anotar, porém, que a sequência das declarações de guerra não respeitou a lógica dessas alianças.

Para ler o artigo, clicar em:

Preparativos_Guerra.pdf (60646)

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

TRÉPLICA DE NÍCIAS A ALCIBÍADES SOBRE A EXPEDIÇÃO À SICÍLIA (415 a.C.)

Tucídides

Depois de o ouvirem a ele [Alcibíades], aos Egesteus e a alguns exilados leontinos que pediram a palavra para lembrar os juramentos feitos e implorar auxílio, os Atenienses ficaram ainda mais determinados do que antes a apoiar a expedição. Nícias, percebendo que seria, agora, inútil, tentar detê-los pela velha linha de argumentação, mas pensando que podia, talvez, alterar a sua resolução pela extravagância das suas estimativas, pediu de novo a palavra.

Para ler o artigo, clicar em:

Tréplica de Nícias.pdf (203361)

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»««««««««««««««««««««««««««««««««««««

Julho 1641 – CONSPIRAÇÃO CONTRA D. JOÃO IV

Tal como em 25 de Abril de 1974 não foi TODO o Exército que se revoltou para derrubar o Estado Novo, também em 1 de Dezembro de 1640 não foi TODA a Nobreza a revoltar-se contra Filipe IV de Castela. É certo que nos conjurados de 1640 se incluíam alguns jovens “capitães” e muitos deles eram “segundos filhos” de famílias relevantes na sociedade portuguesa. É de crer que, procurando bem, se poderiam encontrar outras semelhanças entre as motivações dos dois golpes, mas para o caso deste texto, importa justamente realçar uma diferença essencial: se em 25 de Abril de 1974 se buscava uma forma de alcançar a paz em África, a revolta de 1 de Dezembro de 1640 constituía o rastilho para uma inevitável guerra com Castela, de desfecho bem incerto.

Para ler o artigo, clicar em:

Conspiração 1641.pdf (72486)

***************************************************************

1914 – NO LIMIAR DA GUERRA, A GRÃ-BRETANHA HESITA

No limiar de uma crise sem precedentes, a Grã-Bretanha não sabia o que fazer, ou, para citar o feliz comentário de Donald Kagan, «não só os amigos e os inimigos da Grã-Bretanha não podiam ter a certeza do que os Britânicos fariam, até ao último minuto; os próprios Britânicos não sabiam».
 
Para ler o artigo, clicar em:
 
 
===========================================================

ALCIBÍADES E A EXPEDIÇÃO À SICÍLIA (415 a.C.)

Tucídides

A maior parte dos Atenienses que pediram para usar da palavra falaram a favor da expedição, mostrando-se contrários à anulação da votação anterior. Alguns, porém, manifestaram opinião oposta. No entanto, o mais inflamado apoiante da expedição foi, de longe, Alcibíades, filho de Clínias, o qual pretendeu contrariar Nícias, não só na qualidade de seu opositor político mas também por causa do ataque que ele lhe dirigira enquanto discursava.

Para ler o artigo, clicar em:

Alcibíades_exped_Sicília.pdf (207477)

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> 

COVID 19 – ENCOBRIMENTOS E INDEMNIZAÇÕES DE “GUERRA”

Os serviços de informação estratégica, vulgarmente designados por “intelligence”, constituem um instrumento de primeira importância para as potências conduzirem a sua diplomacia, para anteciparem as ameaças e, quando adequado, para fazerem a transição da paz para a guerra. Não surpreende, por conseguinte, que uma superpotência como os EUA possua nada menos do que 17 agências dedicadas a essas tarefas.

Para ler o artigo, clicar em:

Indemnizações de Guerra.pdf (49901)

*****************************************************************

Julho de 1914

A MOBILIZAÇÃO DA RÚSSIA E AS INDECISÕES BRITÂNICAS

Apesar de ainda ter havido mais algumas trocas de telegramas entre os monarcas russo e alemão, Sazonov já estava convencido de que haveria uma guerra geral e de que, por conseguinte, havia que passar do projecto de mobilização parcial para a geral. A diligência da assinatura do decreto de mobilização geral pelo czar seria efectuada, em 29 de Julho, pelo chefe do Estado-Maior, general Ianushkevich.

Para ler o artigo, clicar em:

Mobiliza Rússia_indef GB.pdf (57610)

"""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""

NÍCIAS E A EXPEDIÇÃO À SICÍLIA (415 a.C.)

Tucídides

Nícias – que havia sido escolhido para o comando da expedição contra sua vontade e que pensava que o estado fora mal aconselhado, porque, com a ajuda de um fraco e ilusório pretexto, se estava a almejar a conquista de toda a Sicília, um objectivo extremamente exigente – pediu a palavra, na esperança de poder dissuadir os Atenienses dessa empresa.

Para ler o artigo, clicar em:

Nícias_exped_Sicília.pdf (220247)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

SINGULARIDADES IMPUBLICÁVEIS DO ESTADO NOVO

CARTAS DE MARCELLO CAETANO PARA SALAZAR

Na passagem do 46.º aniversário do 25 de Abril, aqui deixo aos leitores d’A Bigorna, alguns trechos de cartas escritas por Marcello Caetano a Salazar, em diversos períodos do seu prolongado relacionamento. O último Presidente do Conselho do Estado Novo funcionou, muitas vezes, como denunciante de irregularidades perante o criador do regime. Irregularidades que existiam, que não eram poucas, mas que não vinham a público nem muito menos caíam nas malhas da Justiça.
Para ler o artigo, clicar em:

Cartas Caetano_Salazar.pdf (106848)

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Julho de 1914

NOVAS PERCEPÇÕES ALEMÃS

Na Alemanha, os dias 26 e 27 de Julho ficaram marcados pelo regresso a Berlim da maior parte dos chefes militares que se encontravam de férias, incluindo Moltke e Tirpitz. Guilherme II, contrariando as sugestões do Ministério dos Negócios Estrangeiros, que entendia poder ser alarmista o súbito regresso do monarca, também interrompeu o seu cruzeiro nórdico e, a 27, já se encontrava em Potsdam.

Para ler o arigo, clicar em:

Percepções_alemãs.pdf (84311)

"""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""

1938 – NO RESCALDO DE MUNIQUE

Winston Churchill

Em 30 de Setembro, a Checoslováquia curvou-se perante as decisões de Munique. “Desejava”, assim o afirmaram, “protestar solenemente perante o mundo, contra uma decisão que lhe havia sido imposta”. O presidente Benés apresentou a sua demissão, “porque a sua presença arriscava-se a constituir um obstáculo à evolução que devia seguir o novo Estado”.

Para ler o artigo, clicar em:

Rescaldo_Munique.pdf (512943)

vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv

DA POSSE DE AMÉRICO TOMÁS À REVOLTA DA SÉ (1958-59)

Empossado o novo Presidente da República [almirante Américo Tomás], Salazar aproveita a ocasião para efectuar uma ampla remodelação no governo. Com a manifesta animosidade que o Exército lhe dedica, a saída de Santos Costa torna-se inevitável. 

Posse Tomás_Revolta Sé.pdf (45791)

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Julho de 1914

SÉRVIA RESPONDE AO ULTIMATO E GRÃ-BRETANHA HESITA

Em 25 de Julho, com o prazo de quarenta e oito horas a esgotar-se, o primeiro-ministro Pashitch deslocou-se pessoalmente à embaixada austro-húngara em Belgrado e entregou ao embaixador Giesl uma hábil resposta aos termos do ultimato, aceitando uma boa parte das exigências austríacas.

Para ler o artigo, clicar em:

Sérvia responde_GB hesita.pdf (54941)

******************************************************************

DA UTILIDADE DA CONQUISTA DA ÍNDIA

Luís Mendes de Vasconcelos

Extracto de “Diálogos do Sítio de Lisboa” (1608)

Nós temos dito que para a conservação da vida humana são necessários vestidos, comida e armas; e assim diremos que estas coisas conservam as Cidades e as Repúblicas, com mais as leis, justiça, e prudência, e enfim a virtude; das quais coisas agora não tratarei, porque pedem mais alta consideração que a prática presente. Digo agora que, se nós não alcançámos com a conquista da Índia todas estas coisas, com as quais se conservam as Repúblicas, que não foi útil a esta cidade.

Utilidade conq_Índia.pdf (83051)

===========================================================

DA DISCIPLINA REVOLUCIONÁRIA (2)

Em 9 de Outubro, o deputado Mota Pinto, do PPD, face às diversas formas de oposição levadas a cabo pelo PCP, afirmaria que se impunha a saída do PCP do governo. Como réplica, o deputado comunista Jaime Serra declararia: É errado interpretar, como fazem alguns, a grande movimentação de soldados como um factor de caos e anarquia. O amplo e vigoroso movimento dos soldados é uma viva expressão da luta do povo trabalhador e uma afirmação de que, tal como no aparelho civil, a autoridade, a disciplina e a ordem nas Forças Armadas, só se pode alcançar retirando reaccionários de postos de comando e mantendo e reforçando o espírito revolucionário.

Para ler o artigo, clicar em:

Da_disciplina 2.pdf (87390)

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

JULHO DE 1914

REACÇÕES AO ULTIMATO À SÉRVIA

Começavam a viver-se, então, um pouco por toda a Europa, horas de incomensurável tensão. Os altos funcionários, apanhados meio desprevenidos, com diversos titulares ausentes dos seus gabinetes, no estrangeiro ou em férias, sentiam a tremenda responsabilidade de ter de lidar com uma situação potencialmente geradora de uma conflagração generalizada.

Para ler o artigo, clicar em:

Reacções ultimato.pdf (362203)

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»«««««««««««««««««««««««««««««««««««««««

A PESTE DE ATENAS (430 a.C.)

Tucídides

Nos primeiros dias do Verão seguinte, os Espartanos e os seus aliados, com dois terços das suas forças, como da vez anterior, invadiram a Ática, sob o comando de Arquidamo, filho de Zêuxis, rei de Esparta, e começaram a pilhagem e a devastação do território. Poucos dias depois da sua chegada à Ática, a peste começou a manifestar-se no meio dos Atenienses. Diz-se que previamente havia aparecido em muitos lugares, na vizinhança de Lemnos e noutros sítios. Mas não havia memória de uma epidemia desta magnitude e com tão elevado grau de mortalidade. 

Para ler o artigo, clicar em:

Peste_Atenas.pdf (228083)

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

DA DISCIPLINA REVOLUCIONÁRIA (1)

A Revolta Militar de 25 de Abril de 1974, sendo um acto de dupla insurreição – contra a hierarquia militar e contra o Estado Novo – inevitavelmente haveria de sofrer de problemas de disciplina, uns mais previsíveis do que outros. Um dos menos esperados foi, justamente, a invenção de uma “disciplina revolucionária”, a qual, na parte final do período revolucionário, se transformaria em instrumento político.

Para ler o artigo, clicar em:

Dadisciplina RVL 1_2.pdf (101961)

*******************************************************************

JULHO DE 1914 – O ULTIMATO À SÉRVIA

O artigo relata as principais movimentações diplomáticas ocorridas entre o assassinato do arquiduque Francisco Fernando, em Sarajevo, e a apresentação do ultimato austro-húngaro ao reino da Sérvia.

Para ler o artigo, clicar em:

Ultimato_Sérvia.pdf (51667)

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

DAS GUERRAS NACIONAIS

Antoine-Henri Jomini

As guerras nacionais, de que já fomos forçados a falar quando tratámos das guerras de invasão, são as mais temíveis de todas. Não podemos dar esta designação senão àquelas que se fazem contra uma população inteira ou, pelo menos, contra a maioria dessa população, animada de um nobre fervor pela sua independência. Nestas condições, cada passo é disputado através de um combate. O exército que penetra num país deste tipo só é senhor do terreno onde monta o seu bivaque.

Para ler o artigo, clicar em:

Das Guerras Nacionais.pdf (109890)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

25 DE ABRIL

DO GOLPE MILITAR À REVOLUÇÃO (E À CONTRA-REVOLUÇÃO)

Segundo Melo Antunes, ao referir-se ao 25 de Abril, “a maioria dos oficiais participou num golpe militar, num pronunciamento militar, sem saber que estava a desencadear uma revolução”. Esta frase traduz, com bastante rigor histórico, o sentimento que, na época, dominava o espírito dos oficiais revoltosos.

Para ler o artigo, clicar em:

25Abr_Revol_CRevol.pdf (90140)

*******************************************************************

JULHO DE 1914 - O TRIÂNGULO VIENA – BERLIM – S. PETERSBURGO

Em 11 de Julho, Jagow aconselhou Viena, através do embaixador alemão, «a reunir suficientes provas de que existe na Sérvia uma agitação promovida pelo movimento da Grande Sérvia que faz perigar a Monarquia Dual, de modo que a opinião pública europeia possa ser convencida, tanto quanto possível, da justiça que assiste à causa da Áustria». 

Para ler o artigo, clicar em:

Triângulo VienBerS.Pet.pdf (50178)

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

DAS INSTITUIÇÕES MILITARES

Antoine-Henri Jomini

Um governo que negligencia o seu exército, seja qual for o pretexto invocado, é, por conseguinte, um governo culpado perante a posteridade, uma vez que prepara humilhações às suas bandeiras e ao seu país, em vez de preparar sucessos mediante uma política contrária. 

Para ler o artigo, clicar em:

Insituições Militares.pdf (109459)

##########################################################

25 DE ABRIL – A REVOLUÇÃO QUE PROMETEU ELEIÇÕES

Nos textos de história que abordam os antecedentes do 25 de Abril, tem-se dado pouco relevo à circunstância de o Programa do MFA ser desconhecido dos capitães que arrancaram para a operação de derrube do regime. De facto, o derradeiro documento do MOFA (Movimento de Oficiais das Forças Armadas, designação que antecedeu a mais abrangente de Movimento das Forças Armadas) que teve distribuição geral foi aquele que foi apresentado e assinado na reunião de Cascais, em 5 de Março de 1974.

Para ler o artigo, clicar em:

25Abr_eleições.pdf (119890)

vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv

~

JULHO DE 1914 – O CHEQUE EM BRANCO ALEMÃO

Em Viena, o governo não tardou a concluir que o assassinato do arquiduque Francisco Fernando, em Sarajevo, constituía uma excelente justificação para pôr fim às contemplações para com a Sérvia. O ministro dos Negócios Estrangeiros, conde Von Berchtold, e o Chefe do Estado-Maior Imperial, general Conrad von Hötzendorf, acharam, de imediato, que podiam imputar a responsabilidade do atentado ao governo de Belgrado e que se impunha uma expedição militar punitiva que acabasse de vez com o foco de agitação representado pela Sérvia.

Para ler o artigo, clicar em:

1914_Cheque em branco.pdf (43263)

++++++++++++++++++++++++++++++++~+++++++++++++++++++++++++++++++++

INTRODUÇÃO

O Fascismo era a sombra ou o filho monstruoso do Comunismo. Winston Churchill

Caporetto e Petrogrado

No final de 1917, em plena 1.ª Guerra Mundial, dois acontecimentos, separados temporalmente por menos de uma semana e geograficamente por 2.000 km, iriam gerar as condições para o sucesso da Revolução Bolchevista e do movimento, igualmente revolucionário, que serviria de modelo ao processo de a combater - o fascismo.

O texto que se segue constitui a INTRODUÇÃO desta edição em português (Edições Sílabo), de que sou autor. A tradução da obra também é da minha autoria.

Para ler o artigo, clicar em:

Mussolini - Introdução.pdf (104406)

wwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwww

GARIBALDI - GENERAL-DE-MAR-E-GUERRA

Acaba de sair este volume de Memórias Autobiográficas, de Giuseppe Garibaldi, que tive a honra de traduzir. O texto que se segue constitui a INTRODUÇÃO desta edição em português (Edições Sílabo), de que sou também autor.

Para ler o artigo, clicar em:

Introdução GG.pdf (180435)

********************************************************************

Recensão do Prof. Doutor Luís Alves de Fraga, publicada na Revista Militar
 

__________________________________________________

Gostaria de que se preocupassem mais com a honestidade e a decência. Só porque têm uma religião, acreditam estar dispensados de ter uma moral.

Amin Maalouf

(sobre os poderosos do Líbano)

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

O discurso do arrependimento do Ocidente é esclerosante. É preciso libertar-se dele e pensar para além da vitimização. [...] A pergunta que devemos colocar a nós próprios não é: porque sou mal acolhido; mas é: porque parto, porque deixo a minha terra?

Kamel Daoud, argelino, combatente por um islão iluminista

*******************************

Deve, portanto, um príncipe [...] ser todo piedade, todo fidelidade, todo integridade, todo humanidade e todo religião. E não há coisa que seja mais necessária parecer que se tem do que esta última qualidade. Os homens, em geral, julgam mais pelas aparências do que pelo conhecimento. É que o ver está ao alcance de muitos e o conhecer ao de muito poucos.

Maquiavel, O Príncipe, cap. XVIII

""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""

Jair Bolsonaro esteve, este domingo (17Mai), num encontro com pessoas ligadas à Brigada Paraquedista do Exército, em  Brasília. Durante o encontro, o presidente brasileiro foi filmado a rezar e a fazer flexões com os participantes no encontro.

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

"""""""""""""""""""""""""""""""""""

Alguém mencionou que o Brasil se pareceria com a Itália entre guerras de Mussolini. Mas Mussolini era uma pessoa muito culta se comparada ao atual aqui (Bolsonaro). 

Fernando Henrique Cardoso - O Estado de S.Paulo, 12 de Maio de 2020

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

Um país que mandou George Patton e Dwight Eisenhower esmagar os Nazis, combate agora uma guerra contra um mortífero vírus com Jared Kushner, um especulador imobiliário incompetente e falhado que detém um poder unicamente resultante de ser casado com a filha do presidente.

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

Trump não é real, é um centurião do Astérix.

Luís Delgado, Visão, 24-04-2020
_______________________________
 

Nenhuma mentira vive o suficiente para envelhecer 

Sófocles

wwwwwwwwwwwwwwwwwwwww

É verdade que, por vezes, os militares, exagerando da impotência relativa da inteligência, descuram servir-se dela.

Charles de Gaulle

*********************************

O meu erro não foi ter subestimado Hitler. O meu erro foi ter sobrestimado os alemães.

Klaus Mann

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

********************************

Os homens nunca fazem nada de bem senão por necessidade.

Nicolau Maquiavel 

Discursos sobre a Primeira Década de Tito Lívio - L. I - Cap. III

***************************

Nunca interrompas o teu inimigo quando ele estiver a cometer um erro.

Napoleão Bonaparte

»»»»»»»»»»»»»»»»»«««««««««««««««

RESPONSABILIDADES PELO DESENCADEAR DA 1.ª GUERRA MUNDIAL

A Alemanha e a Áustria fizeram os gestos que tornaram a guerra possível; o Triplo Entendimento fizeram os que a tornavam provável.

Alfred Fabre-Luce

*******************************

As despesas militares eram um quebra‑cabeças. Nunca se conseguiu que o Ministério do Exército se submetesse à disciplina orçamental [...] Debalde eu determinara que não se excedesse com as despesas militares os 40% do orçamento geral do Estado: ia‑se até aos 45%, e o pior é que se tinha a consciência de uma péssima administração do Exército, pois na Marinha e na Força Aérea as previsões orçamentais eram respeitadas.

MARCELLO CAETANO, Depoimento, p. 97.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

O preço da grandeza é a responsabilidade.

Winston Churchill

============================

...do ponto de vista deles, nós éramos um entrave à revolução tal como eles a entendiam. Mas nós entendíamos que estávamos a fazer uma revolução em função do passado. E eles entendiam que nós éramos a contra-revolução em função da ideia que faziam do que seria a revolução. 

Ernesto Melo Antunes

*******************************

Numa Pompílio [2.º rei de Roma] ... encontrando um povo ferocíssimo e pretendendo conduzi-lo à obediência civil de forma pacífica, voltou-se para a religião como coisa de todo necessária para manter um clima de civilidade; e fê-lo de tal modo que, por muitos séculos, não houve, em parte nenhuma, tanto temor de Deus como naquela república...

MAQUIAVEL, Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Há uma Providência que protege os idiotas, os bêbados, as crianças e os Estados Unidos da América.

Otto von Bismarck

********************************

Revolução é uma ideia que encontrou as suas baionetas.

Napoleão Bonaparte

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

Centenas das fortunas americanas datam da Guerra Civil; milhares de novas fortunas datam da Guerra Mundial. Ninguém pode negar que a guerra é um negócio lucrativo para quem adora esse tipo de dinheiro. A guerra é tanto uma orgia de dinheiro como é uma orgia de sangue.

Henry Ford, My life and work, 1922

*****************************

“Os portugueses sempre tiveram uma maneira muito sua de fazer as coisas. Mesmo aquele sangrento espetáculo ibérico, a tourada, adquire em Portugal uma característica especial, cavalheiresca, pois o touro nunca é morto. Na semana passada, um grupo estreitamente coordenado de oficiais do exército aplicou essa tradição civilizada a um ato muitas vezes violento: um golpe militar”. 

Newsweek - 6 de Maio de 1974

vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv

Resultado de imagem

A Honra é a poesia do Dever.

Alfred de Vigny

---------------------------------------------

Estou absolutamente convencido de que a Espanha é o país mais forte do mundo. Século após século tenta destruir-se e não há maneira de o conseguir.

Otto von Bismark

*******************************

[No Vietname] combatemos uma guerra militar; os nossos opositores combateram uma guerra política. Procurámos o desgaste físico; os nossos opositores apontaram à nossa exaustão psicológica. Ao longo do processo, esquecemo-nos de uma das máximas principais da luta de guerrilha: a guerrilha vence desde que não perca; o exército convencional perde se não consegue vencer.

Henry Kissinger

The Viet Nam Negotiations, Foreign Affairs, Janeiro de 1969

**************************

A impressão era sempre modificada à vista da bela e educada
juventude que me acompanhava, quase todos elementos citadinos
e cultos, pois é notório que, entre os corpos voluntários que
tive a honra de comandar em Itália, os camponeses sempre falharam,
graças aos reverendos ministros da mentira.
 
Giuseppe Garibaldi
_________________________________

Israel, tendo atacado, apoderou-se, em 6 dias de combate, dos objectivos que pretendia alcançar. Presentemente, organiza, nesses territórios que tomou, a ocupação, que não pode resultar sem opressão, repressão e expulsão, e onde se manifesta, contra ele, uma resistência que, por seu turno, [Israel] apelidará de terrorismo.

Charles de Gaulle - Conferência de imprensa de 27-11-1967

++++++++++++++++++++++++++

 

...de mil maneiras e por muitas razões, as conquistas são prejudiciais. Porque é muito fácil fazer conquistas sem aumentar a respectiva força, mas quem conquista império e, ao mesmo tempo, não aumenta a sua força, caminha para a ruína.

Maquiavel, Discursos sobre a Primeira Década de Tito Lívio

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

Padre Antônio Vieira

Se servistes a Pátria, que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis, ela o que costuma.

Padre António Vieira

*******************************

Contactos

A BIGORNA
Granja - V. N. Gaia

© 2015 Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode