Bem-vindo ao nosso site de HISTÓRIA

Neste site, os visitantes encontrarão diversos textos por mim publicados, desde 1995, em jornais e revistas, ou, simplesmente, difundidos por e-mail para os meus amigos. Das obras publicadas, como autor ou como tradutor, conto apresentar alguns breves extractos criteriosamente seleccionados.

DAVID MARTELO

==================================================================

INTRODUÇÃO

O Fascismo era a sombra ou o filho monstruoso do Comunismo. Winston Churchill

Caporetto e Petrogrado

No final de 1917, em plena 1.ª Guerra Mundial, dois acontecimentos, separados temporalmente por menos de uma semana e geograficamente por 2.000 km, iriam gerar as condições para o sucesso da Revolução Bolchevista e do movimento, igualmente revolucionário, que serviria de modelo ao processo de a combater - o fascismo.

O texto que se segue constitui a INTRODUÇÃO desta edição em português (Edições Sílabo), de que sou autor. A tradução da obra também é da minha autoria.

Para ler o artigo, clicar em:

Mussolini - Introdução.pdf (104406)

wwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwww

1938 – A TRAGÉDIA DE MUNIQUE

2.ª Parte

Winston Churchill

A humilhação sentida após as propostas anglo-francesas levou o governo checo à demissão. Um governo não-partidário foi formado sob a chefia do general Syrovy, comandante das legiões checoslovacas na Sibéria, durante a Guerra Mundial. Em 22 de Setembro, o presidente Benés dirigia à nação checa, pela rádio, um apelo à calma, pleno de dignidade. Enquanto Benés preparava o seu discurso, Chamberlain tomava o avião para a segunda entrevista com Hitler, desta vez na vila renana de Godesberg.

Para ler o artigo, clicar em:

Tragédia_Munique 2P.pdf (346209)

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

SALAZAR E O INÍCIO DA GUERRA FRIA

A campanha para a reeleição de Carmona dá a Salazar a oportunidade para um extenso depoimento político. É, de facto, a 7 de Janeiro de 1949, durante a conferência da União Nacional que inaugura a campanha eleitoral, que o chefe do Governo revela, pela primeira vez publicamente, preocupações quanto ao futuro das colónias de África.

Salazar_Guerra Fria.pdf (113234)

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»««««««««««««««««««««««««««««««««««««««

VIAGEM RUMO À ASSEMBLEIA DO MFA DE 11 DE MARÇO DE 1975

2.ª Parte

Cerca das 11h50m de 11 de Março de 1975, uma força de pára-quedistas, apoiada por aviões e helicópteros da Força Aérea, atacava o RAL1, vindo a provocar 1 morto e 14 feridos. A breve trecho, a intervenção, no terreno, de alguns elementos do MFA à civil levou à suspensão do ataque. Cerca das 20 horas desse dia 11 de Março de 1975, um grupo de militares – oficiais do QP e milicianos – dirigiu-se ao Palácio de Belém, onde decorria uma reunião do Conselho dos Vinte, e ali sugeriu (ou impôs, como afirma Vasco Lourenço), em termos seguramente dramáticos, debater com o dito Conselho a situação decorrente do golpe.

Para ler o artigo, clicar em:

Revolução_11 Março 2P.pdf (110875)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

1938 – A TRAGÉDIA DE MUNIQUE

1.ª Parte

Winston Churchill

O Sr. Chamberlain tinha, agora, o controlo absoluto da política externa britânica, e Sir Horace Wilson era o seu confidente e principal colaborador. Não obstante as crescentes dúvidas que o Foreign Office sentia acerca da prudência da política do primeiro-ministro, Lorde Halifax seguia as directivas do seu chefe. O gabinete estava profundamente perturbado, mas obedecia.

Para ler o artigo, clicar em:
 
 
********************************************************************

AS COSTAS LARGAS DO LIBERALISMO

Adriano Lima

O neoliberalismo, como corrente de pensamento ou pretensa ideologia, vem sendo, muitas vezes, confundido com o liberalismo clássico ou encarado como uma natural emanação do corpo dos seus princípios basilares, o que em minha opinião é errado. Vamos ver porquê.

Para ler o artigo, clicar em:

As costas largas do liberalismo.pdf (67482)

==============================================================

VIAGEM RUMO À ASSEMBLEIA DO MFA DE 11 DE MARÇO DE 1975

1.ª Parte

Há cerca de cinco meses, foi publicada a transcrição, praticamente integral, das discussões havidas na assembleia de 11 para 12 de Março de 1975, no seguimento da tentativa de golpe militar da facção liderada pelo general Spínola, cuja acção principal se localizaria no Regimento de Artilharia Ligeira n.º 1, em Lisboa. A obra em questão – a que foi posto o título de A noite que mudou a revolução de Abril – A Assembleia Militar de 11 de Março de 1975 – constitui um eloquente registo do ambiente frenético em que decorria a revolução.

Para ler o artigo, clicar em:

Revolução_11Março.pdf (336954)

wwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwww

CHECOSLOVÁQUIA/1938

DIPLOMACIA PUSILÂNIME

Winston Churchill

Hitler mantinha-se convencido de que a sua forma de julgar as coisas era a correcta. Em 18 de Junho, deu as suas ordens definitivas para o ataque à Checoslováquia, procurando, ao mesmo tempo, acalmar as inquietações dos seus generais.

Para ler o artigo, clicar em:

Diplomacia Pusilânime.pdf (124751)

******************************************************************

O ENTENDIMENTO CORDIAL E OS SEUS REFLEXOS NO PLANO MILITAR

2.ª Parte

Em 20 de Julho de 1911, em plena crise de Agadir, teve lugar no Ministério da Guerra francês uma reunião entre o brigadeiro Wilson e o general Dubail, Chefe do Estado-Maior do Exército, para determinar as novas condições de participação do Exército Britânico nas operações militares do nordeste da França, em caso de guerra com a Alemanha, sempre no pressuposto de que estes contactos não significavam a existência de qualquer acordo de carácter vinculativo.

Para ler o artigo, clicar em:

Entendimento Cordial plano militar 2P.pdf (75985)

===========================================================

MITOS REVOLUCIONÁRIOS

Adriano Lima

Importa perguntar se nos fazem falta os mitos revolucionários ou se é necessário reinterpretá-los para lhes imprimir uma feição e uma pulsão mais condizentes com a actualidade.

Para ler o artigo, clicar em:

Os mitos revolucionários.pdf (27098)

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

PLENOS PODERES

A Itália que foi berço do fascismo encontra-se, de novo, à beira de uma tentação totalitária. A demissão do primeiro-ministro Giuseppe Conte, anunciada pelo próprio, em 20 de Agosto, no Senado italiano, consubstancia mais uma das inúmeras crises governamentais em que o país se vem envolvendo com perigosa frequência, sobretudo depois do desaparecimento dos partidos tradicionais, na sequência da enorme convulsão do sistema partidário ocorrida no início dos anos 1990.

Para ler o artigo, clicar em:

Plenos Poderes.pdf (95159)

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

2.ª GUERRA MUNDIAL – ENTRE A VITÓRIA FRANQUISTA E A PROVÁVEL VITÓRIA ALIADA

Em Espanha, ao atingir-se o final do Verão de 1938, é já notório que a sorte da guerra se inclina para os nacionalistas de Franco. Ao seu lado, combatem dezenas de milhares de voluntários italianos, alemães e portugueses, enquanto do lado republicano o principal apoio vem da União Soviética e da França. Simultaneamente, estala a crise da Checoslováquia e a Europa encontra-se a um passo da guerra.

Para ler o artigo, clicar em:

2ª G Mundial Franq_Aliados.pdf (95878)

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»««««««««««««««««««««««««««««««««««««

1938 – A VEZ DA CHECOSLOVÁQUIA

Winston Churchill

O processo da Checoslováquia foi aberto publicamente por Hitler, quando do discurso que pronunciou perante o Reichstag, em 20 de Fevereiro de 1938: “Mais de 10 milhões de alemães, declarou ele, vivem em territórios de dois Estados com os quais temos uma fronteira comum”. Era, para a Alemanha, um dever imperioso proteger estes irmãos alemães e assegurar-lhes “a mais completa liberdade, simultaneamente pessoal, política e ideológica”.

Para ler o artigo, clicar em:

1938 - Checoslováquia.pdf (125157)

********************************************************************

1974 – CESSAR-FOGO EM ANGOLA, GUINÉ E MOÇAMBIQUE

O anúncio da nova política portuguesa, relativamente aos territórios ultramarinos, decorrente da publicação da Lei n.º 7/74, de 27 de Julho, permitiu uma rápida normalização das relações de Portugal com as Nações Unidas.

Para ler o artigo, clicar em:

Cessar-Fogo 1974.pdf (98,5 kB)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

MILITARES EM REVOLTA

Comparação Alemanha 1944 – Portugal 1974

Winfried Heinemann

Não estamos, neste texto, a falar da revolução de 25 de Abril de 1974, mas acerca do golpe de Estado tentado por partes dos Exército Alemão em 20 de Julho de 1944, há justamente 75 anos. Ainda assim, as semelhanças são suficientemente claras para que a comparação mereça ser feita. Podemos mesmo interrogar-nos se os contemporâneos da revolução de 1974 (afinal de contas, estava prestes a assinalar-se o 30.º aniversário do golpe bombista de Julho de 1944!) se aperceberam do paralelismo das duas situações.

Para ler o artigo, clicar em:

Militares em Revolta.pdf (54280)

********************************************************************

O ENTENDIMENTO CORDIAL E OS SEUS REFLEXOS NO PLANO MILITAR

1.ª Parte

Ainda antes das desconfianças causadas pelo primeiro grande programa de construções navais para a marinha alemã, o abalo sentido na Grã-Bretanha na sequência do telegrama de Guilherme II para o presidente Kruger, do Transval, foi suficiente para criar nalguns espíritos mais esclarecidos a ideia de uma guerra entre os dois países.

Para ler o artigo, clicar em:

Entendimento Cordial plano militar 1P.pdf (63602)

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

1938 – ODOR DE GUERRA

Winston Churchill

O atentado perpetrado contra a Áustria e a subjugação da sua magnífica capital, com toda a sua glória, cultura e contribuição para a história da Europa, feriram-me profundamente. Desde o dia seguinte a estes acontecimentos, em 14 de Março, que tomei a palavra na Câmara dos Comuns.

Para ler o artigo, clicar em:

1938_Odor de Guerra.pdf (104653)

=============================================================

PORTUGAL, O ULTRAMAR E O FUTURO

Recordando Manuel José Homem de Mello

Faleceu no passado dia 18 de Junho o Dr. Manuel José Homem de Mello. Quis o destino que as referências que fiz à sua histórica obra Portugal, o Ultramar e o Futuro, no meu livro As Mágoas do Império, ocasionassem uma aproximação e o nascimento de uma amizade que se foi aprofundando com os anos. Nascido em 1930, tinha, portanto, 32 anos quando se rebelou ideologicamente contra a política ultramarina do Estado Novo. E, se a rebelião, em si, já era, naqueles tempos, motivo de admiração, também merece relevo a circunstância de o autor ser, então, tão surpreendente maduro e presciente nos seus 32 anos de idade.

Para ler o artigo, clicar em:

Homem de Melo.pdf (98551)

"""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""

A RAINHA D. CATARINA DE ÁUSTRIA E A UNIÃO IBÉRICA

            Na Corte de D. João III, a influência espanhola não se circunscreve aos aspectos culturais. A rainha D. Catarina, irmã de Carlos I de Espanha (Imperador Romano-Germânico como Carlos V), e o embaixador do soberano espanhol, D. Luís Sarmiento de Mendoza, não descuram os interesses políticos do país vizinho.

Para ler o artigo, clicar em:

A rainha D Catarina.pdf (159732)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

DISCURSO DE CLÉON

Sobre a revolta de Mitilene (ilha de Lesbos)

Tucídides

Em 428 a.C., a ilha de Lesbos, que fora durante meio século um dos mais fiéis aliados de Atenas, fez defecção da Liga de Delos. Tal defecção podia alastrar a outras cidades e minar o domínio ático na Ásia Menor. Lesbos, pela sua estratégica posição na região dos estreitos do norte do mar Egeu, foi admitida na Liga do Peloponeso, embora os peloponésios não lhe emprestassem uma eficaz ajuda. Os atenienses enviaram à ilha o estratego Páccies no comando de 1 000 hoplitas, com 250 trirremes, do que resultaria a submissão da cidade e a captura de muitos prisioneiros. Cléon, adversário político de Péricles, tornara-se, após a sua morte, em 429 a.C., na principal figura de Atenas. 

Para ler o artigo, clicar em:

Discurso de Cléon.pdf (824112)

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»«««««««««««««««««««««««««««««««««««

18 de Junho de 1815

WATERLOO

Entre 1810 e 1814, no seguimento da 3.ª Invasão Francesa, as forças britânicas, portuguesas e espanholas, lideradas por Sir Arthur Wellesley – futuro duque de Wellington – logram sucessivas vitórias sobre o exército gaulês, ainda na Península Ibérica. Seguidamente, já em território francês, contribuem decisivamente para a queda de Napoleão Bonaparte. O imperador abdica, em 20 de Abril de 1814, e parte para o exílio na ilha de Elba. Wellington conseguia, assim, vergar um dos mais brilhantes generais de todos os tempos, mas sem nunca ter tido a oportunidade de com ele se confrontar, cara a cara, num campo de batalha. Mas o destino encarregar-se-ia de, volvidos cerca de 14 meses, proporcionar esse inesquecível frente-a-frente.

Para ler o artigo, clicar em:

A batalha de Waterloo.pdf (2889276)

*********************************************************************

ESTADO NOVO

AS DIFICULDADES DO PÓS-GUERRA

Terminada a 2.ª Guerra Mundial, o regime do Estado Novo ficou perante uma situação política internacional claramente adversa. Enquanto a sociedade civil despertava para uma nova e esperançosa realidade e gerava um grande movimento de contestação e luta eleitoral — o Movimento de Unidade Democrática (MUD) —, no interior do regime, incluindo as Forças Armadas, não faltava quem se apercebesse de que, forçosamente, algo haveria de ser mudado.

Para ler o artigo, clicar em:

As dificuldades do pós_guerra.pdf (104843)

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

1938 – A ANEXAÇÃO DA ÁUSTRIA PELA ALEMANHA

Winston Churchill

Em Março de 1938, com a cumplicidade de Mussolini, a Alemanha invade a Áustria e decreta a dissolução da República Austríaca e a anexação do seu território ao Reich alemão.

Para ler o artigo, clicar em:

1938 Anexação da Áustria.pdf (863881)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

GUERRA DO ULTRAMAR, GUERRA COLONIAL OU GUERRA DE ÁFRICA?

As campanhas militares que tiveram lugar em Angola, Guiné e Moçambique, entre 1961 e 1974, foram vividas e são em grande parte recordadas como se se tratasse de um só conflito. Essa ideia – que é até certo ponto defensável, sobretudo na perspectiva portuguesa – proporcionou aos contemporâneos dessas campanhas a escolha de uma designação que tende a abranger as operações nos três Teatros de Operações. 
 
Para ler o artigo, clicar em:
 
 
^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

TIMOR 1945

E AS DIFICULDADES DA HISTÓRIA

 
A publicação “dos principais documentos relativos a esta questão” – como referia a nota oficiosa de 7 de Outubro de 1945 – foi intenção que ficou por cumprir. A razão desse incumprimento deve-se, muito provavelmente, à circunstância do governo ter reconhecido que a verdade lhe era flagrantemente adversa. 
 
Para ler o artigo, clicar em:
 
 
«««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««

LEIPZIG

Por Nuno Santa Clara

A cidade de Leipzig, fundada no século XII, e cedo começou a destacar-se no aspeto cultural, sobretudo depois da fundação da sua Universidade. No final do século XV começou a desenvolver a indústria ligada à pintura e à imprensa.

Para ler o artigo, clicar em:

LEIPZIG.pdf (52788)

==============================================================

A MONARQUIA DO NORTE

Por Alexandre de Sousa Pinto

A “Monarquia do Norte” merece a nossa atenção por vários motivos, mas há que ter a noção, logo à partida, de que se trata de um movimento efémero a que por vezes se dá o nome de “Monarquia do Quarteirão”, exactamente por se ter limitado a uma duração de apenas 25 dias (entre 19 de Janeiro e 13 de Fevereiro de 1919). 

Para ler o artigo, clicar em:

Monarquia Norte 1919.pdf (177440)

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

GARIBALDI - GENERAL-DE-MAR-E-GUERRA

Acaba de sair este volume de Memórias Autobiográficas, de Giuseppe Garibaldi, que tive a honra de traduzir. O texto que se segue constitui a INTRODUÇÃO desta edição em português (Edições Sílabo), de que sou também autor.

Para ler o artigo, clicar em:

Introdução GG.pdf (180435)

********************************************************************

Recensão do Prof. Doutor Luís Alves de Fraga, publicada na Revista Militar
 

__________________________________________________

Os homens nunca fazem nada de bem senão por necessidade.

Nicolau Maquiavel 

Discursos sobre a Primeira Década de Tito Lívio - L. I - Cap. III

***************************

########################

****************************

Deixa como está, pra ver como é que fica.

Getúlio Vargas
 
*******************************

O Exército Continental suportou um rigoroso Inverno em Valley Forge, alcançou a glória cruzando as águas do Delaware e obteve a vitória sobre Cornwallis, em Yorktown. O nosso Exército dominou o ar, derrubou fortalezas e ocupou os aeroportos, fazendo tudo o que tinha de fazer.

Donald Trump - 4 de Julho de 2019

+++++++++++++++++++++++++

Nunca interrompas o teu inimigo quando ele estiver a cometer um erro.

Napoleão Bonaparte

»»»»»»»»»»»»»»»»»«««««««««««««««

RESPONSABILIDADES PELO DESENCADEAR DA 1.ª GUERRA MUNDIAL

A Alemanha e a Áustria fizeram os gestos que tornaram a guerra possível; o Triplo Entendimento fizeram os que a tornavam provável.

Alfred Fabre-Luce

*******************************

As despesas militares eram um quebra‑cabeças. Nunca se conseguiu que o Ministério do Exército se submetesse à disciplina orçamental [...] Debalde eu determinara que não se excedesse com as despesas militares os 40% do orçamento geral do Estado: ia‑se até aos 45%, e o pior é que se tinha a consciência de uma péssima administração do Exército, pois na Marinha e na Força Aérea as previsões orçamentais eram respeitadas.

MARCELLO CAETANO, Depoimento, p. 97.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

O preço da grandeza é a responsabilidade.

Winston Churchill

============================

...do ponto de vista deles, nós éramos um entrave à revolução tal como eles a entendiam. Mas nós entendíamos que estávamos a fazer uma revolução em função do passado. E eles entendiam que nós éramos a contra-revolução em função da ideia que faziam do que seria a revolução. 

Ernesto Melo Antunes

*******************************

Numa Pompílio [2.º rei de Roma] ... encontrando um povo ferocíssimo e pretendendo conduzi-lo à obediência civil de forma pacífica, voltou-se para a religião como coisa de todo necessária para manter um clima de civilidade; e fê-lo de tal modo que, por muitos séculos, não houve, em parte nenhuma, tanto temor de Deus como naquela república...

MAQUIAVEL, Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Há uma Providência que protege os idiotas, os bêbados, as crianças e os Estados Unidos da América.

Otto von Bismarck

********************************

Revolução é uma ideia que encontrou as suas baionetas.

Napoleão Bonaparte

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

Centenas das fortunas americanas datam da Guerra Civil; milhares de novas fortunas datam da Guerra Mundial. Ninguém pode negar que a guerra é um negócio lucrativo para quem adora esse tipo de dinheiro. A guerra é tanto uma orgia de dinheiro como é uma orgia de sangue.

Henry Ford, My life and work, 1922

*****************************

“Os portugueses sempre tiveram uma maneira muito sua de fazer as coisas. Mesmo aquele sangrento espetáculo ibérico, a tourada, adquire em Portugal uma característica especial, cavalheiresca, pois o touro nunca é morto. Na semana passada, um grupo estreitamente coordenado de oficiais do exército aplicou essa tradição civilizada a um ato muitas vezes violento: um golpe militar”. 

Newsweek - 6 de Maio de 1974

vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv

Resultado de imagem

A Honra é a poesia do Dever.

Alfred de Vigny

---------------------------------------------

Resultado de imagem para Kamel Daoud

O discurso do arrependimento do Ocidente é esclerosante. É preciso libertar-se dele e pensar para além da vitimização. [...] A pergunta que devemos colocar a nós próprios não é: porque sou mal acolhido; mas é: porque parto, porque deixo a minha terra?

Kamel Daoud, argelino, combatente por um islão iluminista

*******************************

Estou absolutamente convencido de que a Espanha é o país mais forte do mundo. Século após século tenta destruir-se e não há maneira de o conseguir.

Otto von Bismark

*******************************

[No Vietname] combatemos uma guerra militar; os nossos opositores combateram uma guerra política. Procurámos o desgaste físico; os nossos opositores apontaram à nossa exaustão psicológica. Ao longo do processo, esquecemo-nos de uma das máximas principais da luta de guerrilha: a guerrilha vence desde que não perca; o exército convencional perde se não consegue vencer.

Henry Kissinger

The Viet Nam Negotiations, Foreign Affairs, Janeiro de 1969

**************************

A impressão era sempre modificada à vista da bela e educada
juventude que me acompanhava, quase todos elementos citadinos
e cultos, pois é notório que, entre os corpos voluntários que
tive a honra de comandar em Itália, os camponeses sempre falharam,
graças aos reverendos ministros da mentira.
 
Giuseppe Garibaldi
_________________________________

Israel, tendo atacado, apoderou-se, em 6 dias de combate, dos objectivos que pretendia alcançar. Presentemente, organiza, nesses territórios que tomou, a ocupação, que não pode resultar sem opressão, repressão e expulsão, e onde se manifesta, contra ele, uma resistência que, por seu turno, [Israel] apelidará de terrorismo.

Charles de Gaulle - Conferência de imprensa de 27-11-1967

++++++++++++++++++++++++++

 

...de mil maneiras e por muitas razões, as conquistas são prejudiciais. Porque é muito fácil fazer conquistas sem aumentar a respectiva força, mas quem conquista império e, ao mesmo tempo, não aumenta a sua força, caminha para a ruína.

Maquiavel, Discursos sobre a Primeira Década de Tito Lívio

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

Padre Antônio Vieira

Se servistes a Pátria, que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis, ela o que costuma.

Padre António Vieira

*******************************

Contactos

A BIGORNA
Granja - V. N. Gaia

© 2015 Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode