Bem-vindo ao nosso site de HISTÓRIA

Neste site, os visitantes encontrarão diversos textos por mim publicados, desde 1995, em jornais e revistas, ou, simplesmente, difundidos por e-mail para os meus amigos. Das obras publicadas, como autor ou como tradutor, conto apresentar alguns breves extractos criteriosamente seleccionados.

DAVID MARTELO

==================================================================

1932 – SALAZAR PRESIDENTE DO CONSELHO DE MINISTROS

Ao iniciar-se o ano de 1932, a Ditadura Militar, apesar de não conseguir evitar alguns sobressaltos revolucionários, a caminha agora a ritmo seguro para uma normalização institucional. O prestígio de Salazar não cessa de crescer. Apesar de não ter, ainda, atingido o topo da sua carreira política, as forças civis e militares que suportam o poder julgam ser chegado o momento da «canonização política» do ministro das Finanças —, passo que antecede, naturalmente, a sua inevitável subida a presidente do Ministério.

Para ler o artigo, clicar em:

1932 Salazar Pres Conselho.pdf (109861)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

A GRANDE GUERRA NO MÉDIO ORIENTE

Nos primeiros dias de Agosto de 1914, havia grande expectativa no tocante à posição que viria a adoptar o Império Turco perante o deflagrar do conflito. Ocupando uma posição de importância geográfica verdadeiramente decisiva, as convulsões internas decorrentes da revolta dos Jovens Turcos não aconselhavam o imediato empenhamento num conflito que apanhara de surpresa a maior parte dos países.

Para ler o artigo, clicar em:

GrGuerra_Medio Oriente.pdf (1044517)

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Agitada e sensacional entrevista com Adolfo Hitler, chefe dos nacionais-socialistas

António Ferro

Entrevista de António Ferro a Adolph Hitler, publicada no Diário de Notícias de 23 de Novembro de 1930.

Para ler o artigo, clicar em:

Agitada e sensacional entrevista com Adolfo Hitler.pdf (180719)

vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv

AS MÁGOAS DO IMPÉRIO

Introdução

Este texto constitui a Introdução e Capítulo I de As Mágoas do Império, livro que publiquei em 1998. Passados que foram 20 anos, parece-me oportuno recordar o seu conteúdo, a propósito do debate que tem vindo a decorrer sobre o nosso passado colonial.

Para ler o artigo, clicar em:

Mágoas Império.pdf (76366)

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

ÁFRICA, 1963

NA GUERRA, NÃO HÁ SUBSTITUTO PARA A VITÓRIA

Depois das acções de terrorismo desencadeadas contra a presença portuguesa em Angola, em 1961, a insurreição vai estender-se a outras parcelas ultramarinas. Ao entusiasmo sentido pelas tropas em 1961 — vencer a guerra, rapidamente, e regressar a casa em triunfo será sempre a mola principal do ânimo de qualquer força combatente — vai suceder-se o espírito de rotina em que se contam os dias que faltam para o regresso à metrópole.

Para ler o artigo, clicar em:

ÁFRICA_1963.pdf (73612)

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»««««««««««««««««««««««««««««««««««

Adriano Miranda Lima

Neste texto, o coronel Adriano Miranda Lima faz uma análise inteligente e de uma elegância notável a algumas passagens da obra de António Lobo Antunes, nas quais o renomado escritor descreve a sua experiência como médico militar durante a comissão que cumpriu em Angola, durante a Guerra Colonial. Lobo Antunes achou que podia fantasiar aquilo que apresenta como memórias, não lhe ocorrendo que estava a usar o seu prestígio de escritor para difundir inverdades de dimensão inaceitável e não poucas vezes espantosamente ridículas e fáceis de desmentir.

Para ler o artigo, clicar em:

A FICÇÃO DE LOBO ANTUNES E A GUERRA COLONIAL-1.pdf (1665993)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

HÁ CEM ANOS

INÍCIO DA OFENSIVA FINAL

No início de Agosto de 1918, começara a desenhar-se um cenário de desequilíbrio favorável aos Aliados. O peso da intervenção das tropas americanas começava a fazer-se sentir. 

Para ler o artigo, clicar em:

Ofensiva final 1918.pdf (1784964)

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

GUARDA-CHUVA

Nuno Santa Clara

Desde o início da chamada Guerra Fria que os europeus se habituaram a depender dos Estados Unidos da América para a sua defesa e segurança.

Para ler o artigo, clicar em:

Guarda_Chuva.pdf (55122)

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

O OCIDENTE DA PENÍNSULA IBÉRICA ANTES DO NASCIMENTO DE PORTUGAL

Como unidade geográfica bem definida, a Península Ibérica constitui, porventura, no contexto europeu continental, o espaço territorial que, nos seus 580.934 km2, mais se aproxima do conceito de ilha – ou mesmo uma «espécie de continente menor», como lhe chamou Pierre Vilar.

Para ler o artigo, clicar em:

Antes_Portugal.pdf (236530)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

1940 – OS “MILAGRES” DA “GUERRA RELÂMPAGO”

A abordagem tradicional do surpreendente êxito da manobra alemã de Maio de 1940 tem-nos apresentado essa operação a Ocidente como o resultado de um cuidadoso planeamento e da aplicação de um novo conceito estratégico – a Blitzkrieg ou Guerra Relâmpago. Esta versão dos acontecimentos foi contrariada por Karl-Heinz Frieser, historiador germânico, o qual, através da sua obra Blitzkrieg-Legende. Der Westfeldzug 1940 (A lenda do blitzkrieg – A campanha de 1940 no Ocidente), nos proporciona uma outra visão dos acontecimentos.

Para ler o artigo, clicar em

Blitzkrieg 1940.pdf (1337546)

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

A NATO E O COLONIALISMO

O EXEMPLO DE PORTUGAL E DE GOA

Winfried Heinemann

Durante uma conferência de imprensa em Nova Delhi, em 24 de Fevereiro de 1954, o primeiro-ministro canadiano, Louis St. Laurent, referiu-se, inadvertidamente, a Goa como “colónia”, e insistiu que Goa não estava abrangida pelo Tratado do Atlântico Norte. Esta atitude levou a um vigoroso protesto do governo português. Obviamente, como podia a NATO apoiar o direito britânico a Gibraltar e, simultaneamente, questionar o muito mais antigo direito de Portugal a Goa? 

Para ler o artigo, clicar em:

NATO e Colonialismo.pdf (164169)

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»««««««««««««««««««««««««««««««««««««

VERÃO DE 1918 – ÚLTIMOS TEMPOS DE EQUILÍBRIO

 As sucessivas acções ofensivas do exército alemão na Primavera de 1918 provocaram-lhe um desgaste e um volume de baixas, para as quais já não era possível encontrar recompletamentos. Nos últimos seis meses, os efectivos globais do exército alemão haviam caído de 5.100.000 de homens para 4.200.000. Na Frente Italiana, os Austríacos são detidos no rio Piave. E Ernest Hemingway andava por lá.

Para ler o artico, clicar em:

Verão 1918 GG.pdf (1696476)

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

EM BUSCA DO HISTORICAMENTE CORRECTO

     A polémica originada pela anunciada criação de um Museu das Descobertas vem decorrendo dentro dos limites estreitos dos estudiosos da História, aos quais se juntaram, como seria inevitável, algumas personagens menos qualificadas, provenientes da área política, que dispõem de lugares cativos na bancada dos media portugueses.

Para ler o artigo, clicar em:

Historicamente_correcto.pdf (23220)

============================================================

1930 – O MESTRE-ESCOLA FALA AOS MILITARES

         Apostado em instituir um regime de preponderância civil – de que a criação da União Nacional, em Julho de 1930, era peça fundamental –, Salazar não esquece que terá de domar as Forças Armadas que haviam feito o 28 de Maio e, muito especialmente, o seu corpo de oficiais.

Para ler o artigo, clicar em

Mestre escola fala aos militares.pdf (50800)

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»««««««««««««««««««««««««««««««««««

ORGIAS DE GUERRA

Henry Ford

Actualmente, oponho-me mais à guerra do que antigamente, e penso que as pessoas em todo o mundo sabem – mesmo que não seja essa a opinião dos políticos – que a guerra nunca resolve nenhum problema. Foi a guerra que construiu no mundo os processos obedientes e lucrativos que encontramos nos dias de hoje – uma massa desconexa e desconjuntada.

Para ler o artigo, clicar em

Orgias de Guerra.pdf (88388)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

SALAZAR E A CONQUISTA DO PODER

Em 25 de Março de 1928, Carmona é eleito Presidente da República. Depois de formalmente empossado, constitui novo governo presidido pelo general Vicente de Freitas. Para a pasta das Finanças retorna Oliveira Salazar, sendo empossado a 27 de Abril. Mas aceita o cargo sob pesadas condições: direito de veto sobre todas as despesas públicas e controlo total dos orçamentos ministeriais.

Para ler o artigo, clicar em:

Salazar_conq_poder.pdf (81353)

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

1911 – A OFENSIVA A TODO O CUSTO

Entusiasmado com as concepções estratégicas de Foch, o tenente-coronel Grandmaison apresentou pela primeira vez, em Fevereiro de 1911, as ideias mestras da doutrina da ofensiva a todo o custo (ofensive à outrance) no quadro de duas conferências proferidas no Centro de Altos Estudos Militares. 

Para ler o artigo, clicar em:

Ofensiva_todo_custo.pdf (86246)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

1936 – HITLER REOCUPA A RENÂNIA

Winston Churchill

Em 7 de Março de 1936, duas horas depois de ter proposto aos países signatários do tratado de Locarno um pacto de vinte e cinco anos, Hitler anunciou no Reichstag que tinha a intenção de reocupar a Renânia, e, no mesmo instante em que pronunciava o seu discurso, uma coluna alemã de 35.000 homens penetrava na zona interdita e fazia a sua entrada nas principais cidades renanas. 

Para ler o artigo, clicar em:

Reocupação Renânia.pdf (130225)

ssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss

VALMY 1792 – BERÇO DA GUERRA TOTAL

Logo na 1.ª batalha das Guerras da Revolução Francesa, foi possível constatar que se havia iniciado algo de novo em matéria militar. Goethe, que acompanhava as tropas prussianas, não teve dúvidas em registar: Deste lugar e deste dia em diante começa uma nova era na história do mundo, e todos vocês podem afirmar que presenciaram o seu princípio

Começara a guerra total.

Para ler o artigo, clicar em

VALMY 1792.pdf (599300)

*********************************************************************

FASCISMO – UMA DOUTRINA DE RAIVA E MEDO

Madeleine Albright

Na obra “Fascism: A Warning”, publicado no passado mês de Abril, a ex-Secretária de Estado de Bill Clinton, que teve de abandonar a sua Checoslováquia natal, em 1939, no seguimento da invasão hitleriana, aborda o tema do Fascismo e os sinais do seu recrudescimento no mundo de hoje. O texto que aqui se reproduz é parte substancial do Capítulo Um da referida obra.

Para ler o artigo, clicar em

Madel_Albright.pdf (110274)

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

EVOLUÇÃO DOS ELEMENTOS ESSENCIAIS DO COMBATE

NO INÍCIO DO SÉCULO XX

Desde que o homem começou a utilizar a guerra como instrumento da política, não tem cessado de evoluir o peso e a preponderância relativa dos chamados Elementos Essenciais do Combate (EEC). São eles: o fogo, o choque, o movimento, a protecção e o comando/ligação.

Para ler o artigo, clicar em

EEC2001.pdf (67570)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

A DIMENSÃO GEOPOLÍTICA DO 25 DE ABRIL E A TEMPESTADE QUE SE APROXIMA

Alocução proferida no IASFA/Porto, por ocasião do convívio de oficiais comemorativo do 44.º aniversário do 25 de Abril

Para ler o artigo, clicar em:

Saudação 25A IASFA 2018.pdf (57280)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

AS FORÇAS ARMADAS ALEMÃS RECRIADAS POR HITLER

Winston Churchill

            No plano militar, a violação mais flagrante do Tratado de Versalhes consistiu na instauração do serviço militar obrigatório, em 16 de Março de 1935. Mas as medidas tomadas para desenvolver e reorganizar o exército alemão não apresentavam unicamente um interesse técnico. Tratava-se, para a Alemanha, de definir o papel exacto das Forças Armadas no Estado nacional-socialista. 

Para ler o artigo, clicar em:

A Wehrmacht.pdf (241006)

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>><<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<

DEFICIENTES DAS FORÇAS ARMADAS

A GERAÇÃO DA RUTURA

            Faz todo o sentido associar o lançamento da obra DEFICIENTES DAS FORÇAS ARMADAS - A GERAÇÃO DA RUTURA à comemoração de mais um aniversário da Revolta Militar de 25 de Abril. A guerra, os seus mortos e feridos, a sísmica ruptura de 1974 e a constituição da Associação dos Deficientes das Forças Armadas, fazem parte do extraordinário movimento que, numa madrugada de Abril, explodiu em clamores de Liberdade.

Para ler o artigo, clicar em

Livro ADFA.pdf (46387)

*********************************************************************

Texto da apresentação da obra no Salão Nobre do Quartel de Santo Ovídio, no Porto, em 16-03-2018

Para ler o artigo, clicar em

Da descolonização.pdf (110063)

vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv

O COMBATE DAS ANTAS

Cerco do Porto – 24 de Março de 1833

Em Março de 1833, o exército liberal vai atacar fora do perímetro das Linhas do Porto para ocupar as "alturas das Antas", terreno elevado que tinha domínio de vistas e fogos sobre o sector nordeste das posições das tropas de D. Pedro, e que corresponde, no Porto actual, à zona da Praça Francisco Sá Carneiro e Monte Aventino.

Para ler o artigo, clicar em

Combate Antas.pdf (1713787)

=========================================================

O REARMAMENTO NAVAL ALEMÃO (1935)

Winston Churchill

Neste artigo, Churchill revela a sua revolta por o governo britânico, sem consultar a França, seu aliado, e sem informar a Sociedade das Nações, se ter empenhado num acordo particular com a Alemanha, para tornar caducas as cláusulas navais do tratado de Versalhes.

Para ler o artigo, clicar em:

Rearmamento naval alemão 1935.pdf (270597)

********************************************************************

1918 – ALGO DE NOVO NA FRENTE OCIDENTAL

Ao iniciar-se o quinto ano de guerra, a ideia da ruptura das linhas inimigas e do regresso à guerra de movimento continuava a ser, na Frente Ocidental, o objectivo principal de ambos os contendores. A Rússia vai capitular, o CEP está prestes a enfrentar a sua maior provação e os EUA começam a empenhar-se nos combates.

Para ler o artigo, clicar em

1918 Algo de novo.pdf (2246309)

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>><<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<

1935 – PROVOCAÇÃO E RESPOSTA

Winston Churchill

Os três anos de trabalho de sapa, de preparativos secretos ou velados, estão agora concluídos. Hitler sente-se, finalmente, suficientemente forte para lançar o seu primeiro desafio público. Em 9 de Março de 1935, é anunciada oficialmente a constituição da aviação militar alemã, e, em 16, declara-se que o princípio fundamental do Exército será, daqui em diante, o serviço nacional obrigatório.

Provocação e resposta 1935.pdf (115808)

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

SANTOS COSTA – A CHEGADA AO PODER

Em 1936, ao ser empossado como Subsecretário de Estado da Guerra, Fernando dos Santos Costa tem então 36 anos de idade e fora promovido a capitão apenas em 1933. Nos dias de hoje — mesmo para os que guardam memória dos tempos da Revolução de 1974 —, parecerá inconcebível que as Forças Armadas aceitassem no governo, nas funções de Secretário de Estado da Defesa, um simples capitão de infantaria.

Para ler o artigo, clicar em

Santos Costa.pdf (75900)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

A DEFESA NACIONAL E A PROTECÇÃO DIVINA

Para ler o artigo, clicar em

DefNac Prot Divina.pdf (66304)

*******************************************************************

1941 – AMEAÇA DE GUERRA PAIRA SOBRE TIMOR

Em 4 de Novembro de 1941, Anthony Eden convoca o embaixador português em Londres, Armindo Monteiro, declarando que lhe vai colocar «um caso de grande seriedade». A mais de um mês do ataque japonês a Pearl Harbour, é firme a convicção do governo britânico sobre a iminência da eclosão da guerra no Pacífico.

Para ler o artigo, clicar em

1941 Ameaça Timor.pdf (89271)

"""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""

A DITADURA MILITAR E OS ALICERCES DO SALAZARISMO

Teve um arranque difícil o regime saído da revolta de 28 de Maio de 1926. A ausência de qualquer projecto político ou programa de governo seria fonte de intermináveis equívocos e iria propiciar uma inevitável instabilidade no manuseamento do recém-adquirido Poder. 
 
Para ler o artigo, clicar em
 
 
********************************************************************

DE QUANTAS ESPÉCIES SÃO AS REPÚBLICAS E A QUAL DELAS PERTENCEU A REPÚBLICA ROMANA

Nicolau Maquiavel

Não pretendo tratar daquelas cidades que tiveram o seu princípio na dependência de outras. Falarei, sim, daquelas cuja fundação ocorreu longe de qualquer servidão externa e que logo começaram a governar-se livremente, como repúblicas ou como principados, as quais, do mesmo modo que tiveram inícios diversos, também tiveram leis e ordenamentos diferentes.

Para ler o artigo, clicar em

De quantas espécies são as repúblicas.pdf (112752)

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>><<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<

O 25 DE ABRIL E A FÓRMULA DE PETROGRADO

Para o PCP, comparando com o que aconteceu na Rússia, o que se passou no 25 de Abril correspondia à revolução de Fevereiro. Faltava ainda fazer a Revolução de Outubro e por isso sempre se entendeu o 25 de Abril como um golpe de Estado. A revolução perdeu-se no 25 de Novembro... (de uma entrevista recente de Zita Seabra). 

Para ler o artigo, clicar em

Fórmula Petrogrado.pdf (87504)

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

A HORA MAIS NEGRA (1940)

Winston Churchill

Assim que clareou a manhã de 10 de Maio, começaram a chegar notícias terríveis. Os telegramas, em caixas a abarrotar, não paravam de chegar ao Almirantado, provenientes dos ministérios da Guerra e dos Negócios Estrangeiros.

Para ler o artigo, clicar em

Hora - negra.pdf (265998)

vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv

Tradução de David Martelo

Mary Parker Follett é uma das poucas mulheres que ascenderam ao estatuto de guru na opinião de muitos académicos, profissionais e pensadores da gestão. Peter Drucker apelidou-a de profeta da gestão.

Para ler a introdução da obra clicar em

9190_PDF.pdf (934598)

*********************************************************************

A GRANDE GUERRA NA ÁFRICA ORIENTAL

3.ª Parte – A guerra que transitou por Moçambique (1916-1918)

Em 4 de Outubro de 1916, as tropas portuguesas que haviam atravessado o Rovuma e estabelecido os primeiros contactos de fogo com os Alemães deram início à operação destinada a conquistar Newala e Masasi. Após aceso combate com a guarnição germânica, iniciado em 22 de Outubro, Newala cai, em 26, nas mãos das tropas portuguesas, as quais também se apoderam de diverso material de guerra.

Para ler o artigo, clicar em

GG_AOA_3P.pdf (964737)

<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<

COMO IRIA SER A GUERRA?

3.ª Parte – As opções estratégicas e o mito da guerra curta

Apesar de serem em menor número os autores que se abalançavam a prever as movimentações estratégicas de exércitos de dimensões nunca vistas, alguns poucos não deixaram de apresentar a sua previsão em tão importante matéria. 

Para ler o artigo, clicar em

Como seria a guerra 3P.pdf (86519)

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

1934 - Pausa no desarmamento e golpe nazi abortado na Áustria

Winston Churchill

Regressemos, por instantes, à Câmara dos Comuns. No mês de Julho de 1934, a Comissão Permanente da Conferência do Desarmamento, em Genebra, foi suspensa sine die

Para ler o artigo, clicar em

Pausa desarmamento_golpe nazi Áustria.pdf (261306)

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

A GRANDE GUERRA NA ÁFRICA ORIENTAL

2.ª Parte - O reforço do ataque britânico ao Tanganica (1915-1916) e o início da participação portuguesa

Com o reforço de tropas britânicas e sul-africanas no Teatro de Operações do Tanganica, as forças alemãs de Von Lettow vão reposicionando-se para sul, cada vez mais perto da fronteira com Moçambique. Entretanto, Portugal entra na guerra ao lado dos Aliados.

Para ler o artigo, clicar em

GG_AOA_2P.pdf (732497)

wwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwww

COMO IRIA SER A GUERRA?

2.ª Parte – Antevendo o campo de batalha

A percepção do que poderia vir a ser uma guerra à escala europeia, ou seja, a antecipação do que iria suceder nos campos de batalha, foi tema abundantemente abordado nos anos que precederam o início da 1.ª Guerra Mundial.

Para ler o artigo, clicar em

Como seria a guerra 2P.pdf (102558)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

1934 – A ÁUSTRIA NA MIRA DE HITLER E A INQUIETAÇÃO DE MUSSOLINI

Winston Churchill

A subida de Hitler à Chancelaria, em 1933, não tinha provocado em Roma qualquer entusiasmo. O nazismo era ali considerado como uma versão brutal e extremista do fascismo. As pretensões de uma Grande Alemanha sobre a Áustria e a Europa Central também lá eram bem conhecidas.

Para ler o artigo, clicar em

Churchill_1934.pdf (485317)

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Resultado de imagem para antónio de spínola guiné

Acta da Reunião do Comando-Chefe da Guiné 15 Maio 1973

A reunião teve lugar num momento particularmente crítico para as tropas portuguesas. Nesta acta, podem identificar-se os vários indícios da séria situação militar e das dificuldades que se colocavam ao Comando-Chefe da Guiné. O documento que aqui se apresenta é o original digitalizado.

Para ler o documento, clicar em

GUINÉ_Acta Rn Cmds_15Mai73-Comando Chefe.pdf (4211888)

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

RAIDE PORTUGUÊS A CONACRI

NOVEMBRO DE 1970

A ideia de executar uma incursão em território da República da Guiné surgiu em Agosto de 1969 como um golpe de mão destinado a libertar os mais de vinte prisioneiros de guerra portugueses que estavam em Conacri, na posse do PAIGC. Outro objectivo que parecia fácil de atingir era a destruição das lanchas-rápidas P6 do PAIGC e KOMAR da República da Guiné.

Este artigo é um slideshow PowerPoint. Para ler, clicar em

Mar Verde 2.ppsx (24883309)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

A GRANDE GUERRA NA ÁFRICA ORIENTAL

1.ª Parte – Operações iniciais (1914-1915)

Quando a Grã-Bretanha declarou guerra ao Império Alemão, o facto de a África Oriental Alemã ter fronteira com o Quénia – colónia britânica onde facilmente podiam chegar reforços por via marítima – fazia antever a possibilidade de ali virem a confrontar-se forças dos dois impérios.

Para ler o artigo, clicar em

GG_AOA_1P.pdf (566278)

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»«««««««««««««««««««««««««««««««««««

Recensão do Prof. Doutor Luís Alves de Fraga, publicada na Revista Militar
 

__________________________________________________

Exige muito de ti e espera pouco dos outros. Assim evitarás muitos aborrecimentos.

Confúcio

*******************************

Centenas das fortunas americanas datam da Guerra Civil; milhares de novas fortunas datam da Guerra Mundial. Ninguém pode negar que a guerra é um negócio lucrativo para quem adora esse tipo de dinheiro. A guerra é tanto uma orgia de dinheiro como é uma orgia de sangue.

Henry Ford, My life and work, 1922

*****************************

*******************************

“Os portugueses sempre tiveram uma maneira muito sua de fazer as coisas. Mesmo aquele sangrento espetáculo ibérico, a tourada, adquire em Portugal uma característica especial, cavalheiresca, pois o touro nunca é morto. Na semana passada, um grupo estreitamente coordenado de oficiais do exército aplicou essa tradição civilizada a um ato muitas vezes violento: um golpe militar”. 

Newsweek - 6 de Maio de 1974

vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv

Resultado de imagem

A Honra é a poesia do Dever.

Alfred de Vigny

---------------------------------------------

Resultado de imagem para Kamel Daoud

O discurso do arrependimento do Ocidente é esclerosante. É preciso libertar-se dele e pensar para além da vitimização. [...] A pergunta que devemos colocar a nós próprios não é: porque sou mal acolhido; mas é: porque parto, porque deixo a minha terra?

Kamel Daoud, argelino, combatente por um islão iluminista

*******************************

Estou absolutamente convencido de que a Espanha é o país mais forte do mundo. Século após século tenta destruir-se e não há maneira de o conseguir.

Otto von Bismark

*******************************

Resultado de imagem para henry kissinger

[No Vietname] combatemos uma guerra militar; os nossos opositores combateram uma guerra política. Procurámos o desgaste físico; os nossos opositores apontaram à nossa exaustão psicológica. Ao longo do processo, esquecemo-nos de uma das máximas principais da luta de guerrilha: a guerrilha vence desde que não perca; o exército convencional perde se não consegue vencer.

Henry Kissinger

The Viet Nam Negotiations, Foreign Affairs, Janeiro de 1969

**************************

– E você, por que é que se tornou revolucionário?

– Por decoro, senhora marquesa, por decoro.

Ramón Maria del Valle-Inclán

La corte de los milagros 

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

Revolução é uma ideia que encontrou as suas baionetas.

Napoleão Bonaparte

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

Israel, tendo atacado, apoderou-se, em 6 dias de combate, dos objectivos que pretendia alcançar. Presentemente, organiza, nesses territórios que tomou, a ocupação, que não pode resultar sem opressão, repressão e expulsão, e onde se manifesta, contra ele, uma resistência que, por seu turno, [Israel] apelidará de terrorismo.

Charles de Gaulle - Conferência de imprensa de 27-11-1967

++++++++++++++++++++++++++

Os homens nunca fazem nada de bem senão por necessidade.

Nicolau Maquiavel 

Discursos sobre a Primeira Década de Tito Lívio - L. I - Cap. III

***************************

 

...de mil maneiras e por muitas razões, as conquistas são prejudiciais. Porque é muito fácil fazer conquistas sem aumentar a respectiva força, mas quem conquista império e, ao mesmo tempo, não aumenta a sua força, caminha para a ruína.

Maquiavel, Discursos sobre a Primeira Década de Tito Lívio

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

You don’t ‘prevent’ anything by war except peace

Harry Truman - Memórias

******************************

Padre Antônio Vieira

Se servistes a Pátria, que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis, ela o que costuma.

Padre António Vieira

*******************************

Contactos

A BIGORNA
Granja - V. N. Gaia

© 2015 Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode