A COOPERAÇÃO ANGLO-LUSA NA GUERRA PENINSULAR E SUA INFLUÊNCIA NAS UNIDADES DE CAÇADORES

A estreita ligação da força expedicionária britânica com o novo exército português constituído a partir de 1808 pode ter ficado a dever-se, em grande parte, às características apresentadas pelos soldados portugueses, quando confrontadas com as necessidades da própria campanha. De facto, na sua maioria originários de regiões montanhosas e de marcada ruralidade, os novos recrutas traziam para as fileiras muitas das melhores características da Infantaria Ligeira.

Para ler o artigo, clicar em

Coop Anglo Lusa_Caçadores.pdf (177720)

*********************************************************************

18 de Junho de 1815

WATERLOO

Entre 1810 e 1814, no seguimento da 3.ª Invasão Francesa, as forças britânicas, portuguesas e espanholas, lideradas por Sir Arthur Wellesley – futuro duque de Wellington – logram sucessivas vitórias sobre o exército gaulês, ainda na Península Ibérica. Seguidamente, já em território francês, contribuem decisivamente para a queda de Napoleão Bonaparte. O imperador abdica, em 20 de Abril de 1814, e parte para o exílio na ilha de Elba. Wellington conseguia, assim, vergar um dos mais brilhantes generais de todos os tempos, mas sem nunca ter tido a oportunidade de com ele se confrontar, cara a cara, num campo de batalha. Mas o destino encarregar-se-ia de, volvidos cerca de 14 meses, proporcionar esse inesquecível frente-a-frente.

Para ler o artigo, clicar em:

A batalha de Waterloo.pdf (2889276)

*********************************************************************

A BATALHA DO PORTO 

12 de Maio de 1809
 
Episódio importante da 2.ª Invasão Francesa, a travessia do Douro, de Gaia para o Porto, na manhã de 12 de Maio de 1809, dava bem para argumento de um filme. Na impossibilidade prática de o fazer, achei que também dava um razoável PowerPoint. À vossa consideração.
 
Para ver o slide-show, clicar em
 
 
^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

VALMY 1792 – BERÇO DA GUERRA TOTAL

Logo na 1.ª batalha das Guerras da Revolução Francesa, foi possível constatar que se havia iniciado algo de novo em matéria militar. Goethe, que acompanhava as tropas prussianas, não teve dúvidas em registar: Deste lugar e deste dia em diante começa uma nova era na história do mundo, e todos vocês podem afirmar que presenciaram o seu princípio

Começara a guerra total.

Para ler o artigo, clicar em

VALMY 1792.pdf (599300)

*********************************************************************

A COOPERAÇÃO ANGLO-LUSA NA GUERRA PENINSULAR E SUA INFLUÊNCIA NAS UNIDADES DE CAÇADORES

A estreita ligação da força expedicionária britânica com o novo exército português constituído a partir de 1808 pode ter ficado a dever-se, em grande parte, às características apresentadas pelos soldados portugueses, quando confrontadas com as necessidades da própria campanha. De facto, na sua maioria originários de regiões montanhosas e de marcada ruralidade, os novos recrutas traziam para as fileiras muitas das melhores características da Infantaria Ligeira.

Para ler o artigo, clicar em

Coop Anglo Lusa_Caçadores.pdf (177720)

*********************************************************************

PONTE DE AMARANTE – 1809

UMA OPERAÇÃO MUITO ESPECIAL

Num Teatro de Operações convencional, uma ponte a ligar as duas margens de um rio constitui, na maior parte dos casos, um elemento de grande importância estratégica. Quem defende atrás dessa ponte planeia a sua destruição para negar a sua utilização ao inimigo. Quem ataca, inversamente, tudo faz para a conseguir capturar intacta, pois dela necessita para prosseguir o avanço. A captura de uma ponte ameaçada de destruição tem sido, por conseguinte, tema de muitas acções que podemos enquadrar no conceito de Operações Especiais. No estudo dos grandes conflitos anteriores à 2.ª Guerra Mundial, raramente se nos deparam descrições de acções militares deste tipo. Entre as poucas conhecidas e passadas em Portugal, avulta a acção da Ponte de Amarante. Embora protagonizada pelo exército francês, reveste-se de inegável interesse.
 
Para ler o artigo clique em
 
______________________________________________________________

Contactos

A BIGORNA
Granja - V. N. Gaia

© 2015 Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode