O OCIDENTE DA PENÍNSULA IBÉRICA ANTES DO NASCIMENTO DE PORTUGAL

Como unidade geográfica bem definida, a Península Ibérica constitui, porventura, no contexto europeu continental, o espaço territorial que, nos seus 580.934 km2, mais se aproxima do conceito de ilha – ou mesmo uma «espécie de continente menor», como lhe chamou Pierre Vilar.

Para ler o artigo, clicar em:

Antes_Portugal.pdf (236530)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

O Iberismo depois de 1820

Desde a revolução de 1820, o iberismo em Portugal assume-se, primordialmente, como o ideário de uma certa elite intelectual, entre a qual se distinguem os nomes proeminentes de Antero de Quental, Oliveira Martins, Latino Coelho, Teófilo Braga, Henriques Nogueira. Outros se lhe opõem vivamente, como é o caso de Fernandes Tomás, Almeida Garrett, Alexandre Herculano, Rebelo da Silva, Anselmo Braamcamp, José Estêvão e tantos mais, travando-se, então, as mais contundentes polémicas. 

Para ler o artigo, clicar em

Iberismo.pdf (130723)

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

1640 - LOS PORTUGUESES SE ALZAN !

No 1.º de Dezembro de 1640, naquilo que Oliveira Martins classificou como «uma conspiração palaciana, com a protecção dos Jesuítas e da França», um grupo de nobres e letrados toma de assalto o Paço da Ribeira e, rapidamente, neutraliza a duquesa de Mântua, representante de Filipe IV em Portugal.

Para ler o artigo, clicar em

Portugueses 1640.pdf (126595)

vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv

CRAVOS DE ESPANHA

O triunfo do Movimento das Forças Armadas (MFA), em 25 de Abril de 1974, não tardou a confirmar a queda da mais antiga das ditaduras da Europa Ocidental. Nessa data, não contando com os regimes de inspiração soviética, só havia mais duas: uma igualmente antiga – a ditadura de Franco, em Espanha – e outra relativamente recente, na Grécia, desde 1967.

Para ler o artigo, clicar em:

Unión Militar Democrática.pdf (329,9 kB)

<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<

A DINASTIA FILIPINA – ENTRE A UNIÃO E A UNIFICAÇÃO

A relativa autonomia política que Filipe II jurara em Tomar vai ser progressivamente pervertida pelos seus sucessores.
 
Para ler o artigo, clicar em
 
Entre a União e a Unificação.pdf (98367)
 
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

D. AFONSO V E A CRISE SUCESSÓRIA CASTELHANA DE 1474

A política de aliança com a Inglaterra – fortalecida com o casamento de D. João I com Filipa de Lencastre – não teria continuação ao nível do estreitamento dos laços familiares. Regressar à velha ligação com Aragão – o reino situado “nas costas” de Castela –, como fizera temporariamente D. Dinis, foi a política seguida no domínio das alianças por via matrimonial.

Para ler o artigo. clicar em

Crise castelhana 1474.pdf (136591)

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

A PENÍNSULA IBÉRICA E A SEPARAÇÃO DE PORTUGAL

Como unidade geográfica bem definida, a Península Ibérica constitui, porventura, no contexto europeu continental, o espaço territorial que, nos seus 580.934 km2, mais se aproxima do conceito de ilha – ou mesmo uma «espécie de continente menor», como lhe chamou Pierre Vilar.

Para ler o artigo, clicar em

Península Ibérica_Separação Portugal.pdf (107847)

*******************************************************************

Os funerais de D. Sebastião

Desde que, em 24 de Agosto de 1578, após a chegada da armada que transportara a expedição portuguesa a Marrocos, foi anunciada pela corte a morte do rei D. Sebastião, na infausta batalha de Alcácer Quibir, não pararam de circular boatos que desmentiam o teor da versão oficial.

Para ler o artigo clique em

Os funerais de D Sebastião.pdf (143202)

***************************************************************

D. JOÃO IV E A TENTATIVA DE REUNIFICAÇÃO IBÉRICA

Após o golpe de 1 de Dezembro de 1640, D. João IV vai sentir as angústias decorrentes do desalinhamento internacional de Portugal. De facto, o reino já não pertence ao bloco da coroa espanhola, mas ainda não se inseriu no bloco antagónico. Talvez por isso, se entenda a surpreendente tentativa para negociar o casamento do príncipe herdeiro português, D. Teodósio, com a princesa Maria Teresa de Áustria, filha única e herdeira de Filipe IV.

Para ler mais, clique em

João IV reunificação ibérica.pdf (91,7 kB)

_______________________________________________________________

A ALIANÇA PENINSULAR COMO PRÓLOGO DA UNIÃO IBÉRICA

O apaziguamento com Castela, a partir de 1411, criou as condições geopolíticas que possibilitaram as conquistas no Norte de África, os Descobrimentos, o Império do Oriente e o início da colonização do Brasil, mas levou a um relacionamento familiar entre as duas Cortes peninsulares que veio a redundar na União Ibérica.

3.ª Parte

Para ler mais clique em

A Aliança Peninsular como prólogo da UI 3ª Parte.pdf (174328)

 

2.ª Parte

Para ler mais clique em

A Aliança Peninsular como prólogo da UI 2ª Parte.pdf (155655)

1.ª Parte

Para ler mais clique em

A Aliança Peninsular como prólogo da UI 1ª Parte.pdf (124,4 kB)

««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««

A CRISE DA RESTAURAÇÃO PORTUGUESA NO CONTEXTO DA GUERRA DOS TRINTA ANOS

 

Introdução

Ao iniciarmos a abordagem do assunto em título, englobado no 2.º Tema do XVI Colóquio de História Militar – Portugal e os conflitos militares internacionais –, não podemos prescindir de uma breve análise ao posicionamento político de Portugal no espaço europeu, nos quase cem anos que antecederam a união com Castela. Nessa análise, falarei de Alianças, instrumento sempre presente na construção da paz e na sustentação dos conflitos armados. Faço-o por uma questão de metodologia, de modo a possibilitar o desenvolvimento da ideia-base que aqui procurarei expor, isto é:

1º. Saber se, a partir de 1640 e num contexto de guerra europeia, essa política era, de algum modo, “restaurável”;
2º. Não o sendo, que condicionantes geopolíticas e geoestratégicas pesavam na inevitável busca de uma alternativa.

O raciocínio assim esboçado assenta, naturalmente, na definição anterior de um DESTINO NACIONAL – a expansão marítima – obrigando, por conseguinte, a que as modalidades de acção da política externa sejam, todas elas, opções credíveis à efectivação desse fim.

Para ler o artigo completo clique em

Crise Restauração 2004.doc (70144)

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

A separação de Portugal da Monarquia Hispânica e o seu demorado reconhecimento internacional

Em 7 de Junho de 1640 inicia-se, em Barcelona, a revolta da Catalunha. Com o exército filipino empenhado na campanha da Catalunha e em guerra com a França, as condições geopolíticas pareciam ser extremamente favoráveis a um levantamento vitorioso em Portugal.

Para ler o artigo, clicar em

Rec_Internacional Restauração.pdf (84332)

*********************************************************************

HISTÓRIA DA GALIZA

Manuel Recuero Astray e Baudilio Barreiro Mallón

1. A independência de Portugal    2. As peregrinações a Santiago de Compostela

Para ler o artigo, clicar em

História da Galiza.pdf (101818)

====================================================

Contactos

A BIGORNA
Granja - V. N. Gaia

© 2015 Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode