O AUSPICIOSO VERÃO DE 1914

A Europa entrou o Verão de 1914 numa agradável atmosfera de distensão internacional. Num consolidado cenário de Belle Époque, todos se preparavam para gozar as delícias de umas férias retemperadoras. 

Para ler o artigo, clicar em

Verão de 1914.pdf (537689)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

1.ª Guerra Mundial

A PREPONDERÂNCIA POLÍTICA DO PLANO DE GUERRA ALEMÃO

NA ECLOSÃO DO CONFLITO

Para ler o artigo, clicar em

Plano de Guerra Alemão.pdf (982909)

*********************************************************************

A FRANÇA E A RIVALIDADE MILITAR COM A ALEMANHA – 1871-1914

Uma questão demasiado grave para ser confiada a militares

Para ler o artigo, clicar em
 
 
*********************************************************

As ambições coloniais da Alemanha e o programa de construções navais

  Atingir o estatuto de grande potência e não possuir alguns dos respectivos atributos – nomeadamente um império colonial e uma forte marinha de guerra – era algo que, aos olhos de muitos alemães, representava uma injustiça, fruto do desenvolvimento da história, mas que devia ser corrigida. 

Ambições navais da Alemanha antes GG.pdf (158746)

*******************************************************************

DA NECESSIDADE E UTILIDADE DA GUERRA

Debate nas vésperas da Grande Guerra

As tensões que se foram acumulando na Europa ao longo dos primeiros catorze anos do século XX, conjugadas com o crescente desenvolvimento e difusão de jornais, revistas e livros, permitiram – talvez pela primeira vez na história da civilização ocidental – a ocorrência de um significativo confronto de opiniões, no qual participaram políticos, militares, agentes económicos, historiadores, filósofos, etc.

Para ler o artigo, clicar em
 
 
********************************************************************

O CONLUIO ANGLO-GERMÂNICO SOBRE AS COLÓNIAS PORTUGUESAS (1898-1914)

Em 1898, o conde Hatzfel e o Sr. Balfour assinaram um acordo secreto que dividia as colónias portuguesas em esferas de influência económica entre nós e a Inglaterra. Como o governo de Portugal não possuía nem o poder nem os meios para as desenvolver ou administrar adequadamente, tinha admitido, algum tempo antes, vendê-las para pôr as finanças numa base sólida. Foi obtido um acordo, entre nós e a Inglaterra, definindo os interesses de ambas as partes. Este acordo era de grande valor, tendo em conta que Portugal, como era opinião geral, estava inteiramente dependente da Inglaterra. (Príncipe Lichnowsky)

Para ler o artigo, clicar em

Conluio anglo-germânico.pdf (387066)

********************************************************************

COMO IRIA SER A GUERRA?

1.ª Parte - Visão global

A percepção do que poderia vir a ser uma guerra à escala europeia, ou seja, a antecipação do que iria suceder nos campos de batalha, foi tema abundantemente abordado nos anos que precederam o início da 1.ª Guerra Mundial.

Para ler o artigo, clicar em

Como seria a guerra 1P.pdf (77228)

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

COMO IRIA SER A GUERRA?

2.ª Parte – Antevendo o campo de batalha

Nos anos que antecederam a eclosão da Grande Guerra, diversos autores, civis e militares, procuraram antever o que seria uma confrontação entre as potências dominantes da Europa. Um dos exemplos desse empenhamento na antevisão do futuro campo de batalha que é mais citado pelos historiadores deste período é a obra de um civil, o banqueiro e economista polaco Jan Bloch, publicada em 1897, com o título A guerra do futuro nas suas vertentes técnicas, económicas e políticas

Para ler o artigo, clicar em:

Como seria a guerra 2P.pdf (100,2 kB)

=========================================================

COMO IRIA SER A GUERRA?

3.ª Parte – As opções estratégicas e o mito da guerra curta

Apesar de serem em menor número os autores que se abalançavam a prever as movimentações estratégicas de exércitos de dimensões nunca vistas, alguns poucos não deixaram de apresentar a sua previsão em tão importante matéria. 

Para ler o artigo, clicar em

Como seria a guerra 3P.pdf (86519)

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

DA INUTILIDADE DA GUERRA

Debate nas vésperas da Grande Guerra

Vimos, num artigo recente, aqui publicado, alguns exemplos de textos em que, nas vésperas da Grande Guerra, os autores defenderam as virtudes e vantagens que achavam ser inerentes ao desenvolvimento de grandes conflitos. Mas, em simultâneo, surgiram ideias contrárias, não só as de teor claramente pacifista como a daqueles que, não se intitulando pacifistas mas sim antibelicistas, anteviam, pura e simplesmente, a inutilidade da guerra.

Para ler o artigo, clicar em

 
*********************************************************************

O ACORDO GERMANO-RUSSO DE BJÖRKÖ 

Em Julho de 1905, um arrebatamento antibritânico de Guilherme II quase ia reconduzindo as relações germano-russas a um novo compromisso diplomático. Nesse ano, o kaiser visitou Portugal, a caminho de Tânger.

Para ler o artigo, clicar em

Acordo de Björkö 1905.pdf (530847)

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

1900

Para além das questões de natureza geoestratégica, a que a política de alianças procurava dar resposta, nos primeiros anos do século XX estavam em curso na Europa, no Próximo Oriente e no Norte de África, diversas disputas envolvendo potências europeias. 

1900.docx (508315)

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

MADE IN GERMANY

A unificação da Alemanha, no seguimento da vitória sobre a França, em 1870, teve, no imediato, um reflexo de grande impacto no seu crescimento populacional, transformando este numa corrida onde os germânicos iam em clara fuga. Com apenas mais 10 milhões de habitantes em 1872, a vantagem subiria para 20 milhões em 1913.

Para ler mais, clique em

MADE IN GERMANY.pdf (144615)

********************************************************************

O FIM DA “ALIANÇA” ANGLO-GERMÂNICA

Em 1714, ao falecer a rainha Ana de Inglaterra, sem descendente directo, a coroa britânica foi herdada por Georg Ludwig von Hannover, príncipe do Hanôver, o qual tomou o nome de Jorge I. Os seus direitos ao trono decorriam da circunstância de ser, por parte de sua mãe, bisneto de Jaime I (Stuart). Por conseguinte, a partir dessa data e até à subida ao trono da rainha Vitória, o soberano britânico foi, simultaneamente, príncipe do Hanôver.

Para ler o artigo, clicar em

Fim aliança anglo-germânica.pdf (804369)

"""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""

Os Alemães e a política

Nalguma coisa teríamos de ter defeito!

 

            Na Alemanha pós-Bismarck, a consciência da sua força – económica, científica, cultural, demográfica e militar – lançara em muitos espíritos a ideia de que o estatuto internacional de que usufruíam lhes era profundamente injusto. Os Alemães, pela primeira vez na história contemporânea, sentiam que tinham o direito a desempenhar um papel liderante na Europa e no Mundo. Max Weber, numa célebre conferência proferida em 1895, defendia com entusiasmo esta posição:

«Devíamos considerar a unificação da Alemanha uma loucura juvenil – que a nação cometeu nos seus dias de decadência e que seria melhor evitar devido aos seus custos –, caso se tratasse da conclusão e não do ponto de partida para uma política de poder mundial [Weltmachtpolitik]».[1]

Esta sensação de insuficiente importância no contexto europeu e mundial parece fazer parte do destino germânico e emerge, periodicamente, a cada momento de ressurreição política, englobando tudo o que Jonatham Steinberg definiu como o desejo de Geltung [respeito], de Anerkennung [reconhecimento] e de Gleichberechtigung [igual autoridade][2].

 Mais perto de nós, poderemos vislumbrar esse sentimento de insatisfação, associado à prosperidade e ao desejo de liderar, em duas ocasiões: na constituição e consolidação do III Reich, e, consumada a reunificação de 1990, na tendência, cada vez mais evidente, de liderança da União Europeia e na reivindicação de um lugar de membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

O príncipe Bülow dissertou sobre este tema de forma assaz curiosa e com o seu quê de premonitório, pondo a nota numa espécie de inépcia política inata da raça alemã, em contraste com um conjunto de muitas outras invulgares qualidades:

«O destino, que, como todos sabem, é um mentor importante, mas caro, bem poderia tratar de nos educar sob o ponto de vista político, isto é, em nome do prejuízo que não cessarão de nos causar, de novo, as debilidades políticas inerentes ao carácter do nosso povo. As debilidades, políticas ou não, raramente se curam pela teoria, são necessárias a prática e as experiências da vida. Esperemos que não sejam demasiado penalizadoras essas provas que permitirão juntar o talento político aos numerosos e brilhantes dons que recebemos. Apesar de um passado rico em desgraças políticas, ainda não possuímos esse talento. Um dia, estava a conversar sobre este tema com um dos directores do ministério[3],o falecido Althoff: “Ah! O que é que queria?” respondeu-me este homem de grande valor, com o humor que lhe era próprio. “Nós, os Alemães, somos o povo mais instruído da terra e, ao mesmo tempo, o mais apto para a guerra. Temos feito maravilhas em todas as ciências, em todas as artes; os maiores filósofos, os mais renomados escritores e os mais célebres músicos são todos alemães. Neste momento, estamos em primeiro lugar no campo das Ciências Naturais e em todos os domínios técnicos, e, no patamar superior do mercado, alcançámos um dinamismo económico prodigioso. Como é que se pode admirar que, em matéria política, sejamos uns burros? Nalguma coisa teríamos de ter defeito!”»[4]

            Se este trecho, combinado com o que sabemos da história do século XX, nos poderá causar um justificado estremecimento, atentemos, também, neste precioso aditamento que Bülow proporciona ao leitor do século XXI:

            «O senso político é o senso das generalidades. É isso, justamente, que os Alemães não têm. Os povos bem dotados do ponto de vista político, agindo tanto com profundo conhecimento de causa como por instinto, no momento adequado e sem a pressão de uma situação crítica particular, colocam os interesses gerais da nação à frente das tendências e dos interesses particulares. Ora, está no temperamento alemão exercer a sua energia sobretudo no particular, de colocar o interesse geral depois do interesse mais restrito, mais directamente palpável, mesmo de o subordinar a ele. É a isso que se refere Goethe na sua frase cruel, frequentemente citada, quando diz que o alemão é capaz nos pormenores e mesquinho no conjunto.»[5]

In DAVID MARTELO, Origens da Grande Guerra - Rumo às trincheiras - Percurso político-militar (1871-1914)



[1] KAGAN, Donald, Sobre as origens da guerra e a preservação da paz, p. 156.

[2] Ibidem, p. 157.

[3] Bülow, antes de ser chanceler, fora ministro dos Negócios Estrangeiros.

[4] BÜLOW, Bernhard, La politique allemande, pp. 133-134.

[5] Ibidem, pp. 134-135.

""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""

Contactos

A BIGORNA
Granja - V. N. Gaia

© 2015 Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode